Ex-líder de gangue teve sonho com Deus e hoje evangeliza na prisão

Quem vê o pastor Manuel Rivera andando pelo pátio lotado da famosa prisão de San Francisco Gotera, em El Salvador, não o distingue das centenas de presidiários confinados ali. O homem baixo, de 36 anos, veste uma camiseta branca, shorts e chinelos de dedo. Na mão, traz consigo uma Bíblia surrada. Quando a abre e começa a falar, muitos criminosos endurecidos inclinam suas cabeças e alguns até choram.

As violentas gangues de rua e a pobreza crônica fizeram de El Salvador um dos países onde mais morre gente assassinada no planeta. Porém, o crescimento do cristianismo evangélico atrás das grades está oferecendo a muitos condenados uma maneira de romperem a espiral de violência.

Rivera tem um passado ligado ao crime. Até alguns anos atrás era um temido assassino da poderosa gangue “Barrio 18”. Hoje fala sobre amor, vida eterna e perdão para homens que exibem tatuagens de aranha negra, símbolo da gangue, em seus braços, pescoços e rostos.

“Costumávamos dizer que a gangue era nossa família, mas Deus tirou a venda dos nossos olhos”, explica Rivera. Quando abraçam a fé, esses homens podem deixar suas gangues sem retaliação, explica o pastor. Mas se não demostrarem que mudaram de vida, seus ex-companheiros de gangues podem matá-los, temendo que eles se juntem a outras gangues e se tornem inimigos.

A história do pastor Manuel Rivera não é muito diferente da maioria dos membros da igreja que funciona atrás das grades em San Francisco Gotera. Após anos fugindo da polícia e travando uma guerra sangrenta com gangues inimigas, ficou impossibilitado de ver sua família. Condenado por um de seus assassinatos, decidiu se voltar para a oração.

Um dia, conta, Deus lhe apareceu em um sonho, dizendo que Rivera teria seu próprio rebanho, que se tornaria um pastor, diz ele. Não terminou de cumprir sua sentença de oito anos, por associação criminosa, mas já lidera uma das igrejas do presídio.

Reabilitação pelo evangelho

A situação em El Salvador mostra que as autoridades já reconhecem seu potencial para reformar ex-membros de gangues. O governo do presidente Salvador Sanchez Ceren planeja usar Gotera como um modelo de “reabilitação religiosa” que deu resultado.

Luis Alfredo Alvarado Hernandez, membro de uma das igrejas evangélicas que funcionam no presídio, a Torre Fuerte, conta: “Era membro de uma gangue desde os 13 anos de idade, mas Deus me mostrou em sonhos que havia um paraíso e um inferno. Decidi abandonar a vida do crime porque não há futuro nela”.

Há dois anos, quase todos os presos de Gotera eram membros ativos de gangues. Agora, a maioria dos seus cerca de 1.500 apenados querem encontrar a redenção, diz Oscar Benavides, o diretor da prisão.

As conversões “mostram ao país que é possível reabilitar as pessoas envolvidas com essas gangues”, diz o ministro da Segurança, Mauricio Ramirez, minimizando as críticas de que o governo deveria fazer mais pela recuperação de detentos.

Dentro de Gotera, onde alguns detentos estão cumprindo sentenças de 100 anos por crimes acumulados, há pinturas coloridas de anjos e figuras religiosas adornando as paredes ao lado de citações bíblicas.

Alguns presos usam camisas com as inscrições “Soldado de Cristo” e “Jesus salvou minha vida”, carregam livros religiosos e fazem reuniões de oração.

Rodolfo Cornejo, 34 anos, cumpre uma sentença de 12 anos por porte de armas de fogo. Sua maior expectativa é poder sair e mostrar a seus filhos que é um novo homem. “As pessoas de fora não confiam muito em nós, acham que não podemos mudar. Mas podemos mostrar que é possível sim”. 

Com informações Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *