Motorista de ônibus escolar é afastado de seu emprego após orar com estudantes

George Nathaniel também é pastor em sua igreja e dirige um ônibus em que a maioria das crianças vem de famílias cristãs.

Um motorista de ônibus escolar de Minnesota, que também é pastor de uma igreja, não poderá continuar conduzindo o transporte porque liderou os estudantes em um momento de oração enquanto dirigia.

George Nathaniel, um motorista de ônibus de 54 anos de uma escola do Brooklyn Park que também é pastor de uma igreja em Minneapolis, não foi demitido oficialmente, mas a empresa que o emprega, a Quality Care Transportation, não deu a ele uma nova rota, segundo o Star Tribune.

Quatro anos atrás, Nathaniel foi demitido de seu emprego como motorista de ônibus escolar de uma escola de Burnsville pela mesma razão.

Nathaniel diz que é seu direito constitucional de praticar sua fé e falar sobre ela. “Você tem a liberdade de exercer suas crenças religiosas”, disse ele.

A empresa ‘Quality Care Transportation’ informou que os funcionários da escola haviam recebido queixas de que ele “influenciava os menores a ponto de ‘forçá-los a orar”.

“Ele não vai mudar. Seu foco principal é influenciar até mesmo uma pessoa a seguir o que ele acredita”, disse o empregador Muk Musa.

A maioria dos estudantes em seu ônibus era de alunos russos e de famílias cristãs.

Nathaniel explicou que “Os próprios estudantes se ofereceram para começar a oração”.

Grupos seculares e ateus afirmam que a oração pública ou outras expressões de fé “são contra a separação entre a Igreja e o Estado”.

No ano passado, um grupo ateu, chamado “Freedom From Religion Foundation”, exigiu que Escola de Ensino Médio ‘LaPoynor’, no leste do Texas, removesse uma bandeira cristã de seu terreno, argumentando que o hasteamento de uma bandeira cristã poderia ser considerado um endosso escolar ao cristianismo e uma violação da Cláusula do Estabelecimento – Primeira emenda à constituição dos EUA

Mas os estudantes reagiram trazendo suas próprias bandeiras cristãs para voar nas dependências da escola.

Também no ano passado, os treinadores do time de futebol da Escola de Ensino Médio do Distrito Escolar de ‘Coweta’, na Geórgia (EUA), foram proibidos de orar com os alunos pela região.

Um memorando elaborado pelo advogado do Sistema Escolar do Condado de Coweta afirmou que “os representantes da escola não podem participar de nenhuma oração ou culto liderado por estudantes / alunos enquanto atuam em suas funções oficiais”.

A orientação foi emitida após uma queixa da FFRF, que se centrou no fato de que o treinador John Small foi visto em um vídeo colocando a mão no ombro de um jogador e inclinando a cabeça durante uma oração em equipe.

“Os estudantes têm todo o direito de terem suas orações iniciadas por estudantes e alunos em nossas escolas. Mas há limites bem claros quanto ao papel dos funcionários”, disse o diretor do Sistema Escolar do Condado de Coweta, Steve Barker, na ocasião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *