Em nova realidade, África envia missionários para evangelizar Europa

Para muitos observadores, parecia imprudente enviar um trabalhador tão frutífero a uma nação tão desesperada. Muitos plantadores de igrejas nos Ministérios de Fraternidade Cristã, seguindo a sabedoria predominante, procuraram plantar igrejas na Inglaterra e na África do Sul, ricas em recursos.

Mas o pastor Harold Warner não recuou quando ele enviou o pregador Alvin Smith a Serra Leoa, em 1989. Ele tinha ouvido falar de Deus. E quase três décadas depois, os resultados ainda são surpreendentes.

A igreja original em Freetown cresceu de maneira notável e frutificou em 80 igrejas. A nação que já foi classificada como a segunda mais pobre do mundo agora já tem igrejas plantadas plantou igrejas na Libéria, Guiné, Gâmbia, Senegal, Togo, Benin, Congo, Burkina Faso e Costa do Marfim. Eles até enviaram três missionários para a Europa.

“Levar as pessoas, levar jovens, homens e mulheres de um dos países mais pobres do mundo e ver Deus dizer: ‘Eu vou moldar esses missionários e vou moldá-los porque eles vão realizar o meu propósito não apenas em sua própria nação, mas também além das fronteiras’ é um dos maiores privilégios da vida”, diz Warner em um vídeo da conferência de 2018. “Eu apenas sento e sorrio, porque isso tem que ser Deus.”

Cenário caótico

Nem mesmo os pastores africanos podiam acreditar em como Deus os usaria, quando ainda jovens, eles se converteram a Cristo em um prédio da escola em ruínas, sem luzes, onde ouviram atentamente o pastor Smith pregar de todo o seu coração.

“O pastor Smith estava incutindo em nosso espírito que íamos a todo o mundo para pregar o evangelho. Na mente de muitos de nós, pensávamos: ‘Este é um sonho impossível’, diz Edward Saffa, que assumiu a sede da igreja em Freetown. “Todos nós éramos do nada – nada”.

Serra Leoa era uma nação rica em diamantes, atormentada pela corrupção do governo e sucessivas guerras civis. A expectativa de vida média era de apenas 30 anos e as pessoas comiam apenas uma refeição por dia. O pior tipo de malária causou estragos na população, e os guerrilheiros decepavam pernas e braços de civis para semear o terror.

Esse foi o cenário no qual Alvin Smith, um piloto de helicóptero aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, introduziu sua esposa Renée.

“Devemos algo ao pastor Smith, que deixou a América. Ele veio no tempo da guerra. Isso foi muito sacrifício”, disse Aruna Bangura, agora pastoreando em Marselha, França.

“Quando as pessoas são muito educadas, elas se tornam lógicas quando se trata de servir a Deus. Mas nós éramos simplesmente explosivos. Nós queremos ir à igreja todos os dias. Sempre que é hora de ir à igreja, estamos correndo para ir à igreja. Nós viemos de longe”, acrescentou.

Ele se lembrou do tempo em que se converteu e o cenário caótico no qual viu sua vida mudar.

“Ainda me lembro daquele velho edifício acidentado e sujo. Todas as janelas estavam danificadas. Nós estávamos usando velas. Mas havia vida saindo daquele prédio. É assim que Deus trabalha. Deus gosta de fazer as coisas da maneira que o homem não pode fazer”, afirmou.

Os rapazes que assistiram aos sermões de Smith muitas vezes não tinham roupas adequadas, mas não lhes faltava zelo nem reverência. Ou talvez tenha sido a ausência de distrações materiais que os ajudou a centralizar toda a sua atenção em Deus.

Eles não tinham nada, então também não tinham nada a perder quando depositavam sua fé em Deus. O pastor Smith desafiou os jovens a se casarem, independentemente de sua situação financeira. Alguns dos líderes hoje montam divisórias de papelão na sala de seus pais para consumar seu casamento.

“Nos primeiros dias do Pastor Smith, estávamos em algum tipo de acampamento militar. Pastor Smith foi simplesmente fenomenal. Nós apenas nos apaixonamos por Jesus ao ouvi-lo falar. Ele nos fez sentir valiosos”, diz Desmond Bell, que hoje também pastoreia em Marselha. “Ele deu sua vida. Ele derramou tudo em nós para perceber o quão importante, quão valioso nós somos para Deus nos usar. Nós sentimos o paraíso. Ele era como um pai. Ele era como um irmão mais velho”.

O Ministério “Christian Fellowship” (CFM), baseado em Prescott, Arizona, faz do plantio de igrejas seu principal foco. Enquanto muitas igrejas priorizam o ministério interno, o CFM lança recursos desproporcionais no evangelismo mundial. Por fim, há 2.500 igrejas em 114 nações.

Alcance inimaginável

Ninguém pode dizer onde o avivamento vai sair. Igrejas espalhadas pelo México e nas Filipinas. Os plantadores de igrejas especialistas esperavam resultados ótimos em nações onde os indicadores eram positivos. Mas o reavivamento na África Ocidental foi mais do que apenas contra-intuitivo; desafiou toda a lógica.

“Quando vi o zelo do Pastor Smith, o fogo em seu espírito, fui cativado. Eu fiquei realmente comovido. Havia algo em mim que estava dirigindo naquela direção ”, diz Edward Saffa. “Eu dei tudo de mim para isso.”

Mas se o avivamento na África Ocidental estava chamando a atenção, o envio de missionários africanos para a Europa realmente fez arregalar os olhos. Já atuando na França, até mesmo o próprio Bell custava acreditar no que estava acontecendo. Afinal, “foi a Europa que enviou missionários para a África décadas atrás; é a Europa que tem recursos. Como ocorrria a alguém reverter o fluxo missionário e virar a cabeça toda lógica?”

“Eu estava relutante, essa é a vontade de Deus? Um africano vindo da Europa como missionário?”, disse Bells. “Na verdade, isso era no mínimo, ‘excêntrico’. Parecia anormal”.

Mas depois de preencher uma papelada gigantesca, aprender francês e assimilar a cultura, Bell e sua esposa hoje têm uma próspera igreja em uma das nações mais resistentes ao Evangelho.

“Hoje acredito que há esperança para esta nação”, diz ele.

Os africanos aprenderam a colocar suas vidas nas mãos de Jesus. Esses pastores, repetidas vezes, colocam suas vidas em risco por acreditarem em Deus para promover o avivamento em qualquer nação aonde vão. Eles aprenderam que se arriscar em favor de Deus é melhor que qualquer outra saída.

“O perigo de não perseguir o propósito de Deus é se arrepender”, diz Bell. “Você vai viver com arrependimento. Você vai sentir falta de alguma coisa. Até que você responda ao propósito de Deus, você não saberá como isso é importante”.

Com informações do God Reports

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *